Skip to content

Sobre mim

Antonio Carlos de Oliveira Barreto


“O Cordel flui pelas águas
Do rio a simplicidade
Sua nascente vem do campo
Ao abraço com a cidade
Galopando por caminhos
de lonjuras e espinhos
clamando por liberdade…”


Antonio Barreto, nascido nas caatingas do sertão baiano, em Santa Bárbara, Bahia, no Brasil.

Professor, poeta e cordelista. Amante da cultura popular, dos livros, da natureza, da poesia e das pessoas que vieram ao Planeta Azul para evoluir espiritualmente.

Graduado em Letras Vernáculas e pós graduado em Psicopedagogia e Literatura Brasileira.

O terceiro livro de poemas, Flores de Umburana, foi lançado em dezembro de 2006 pelo Selo Letras da Bahia.

Vários trabalhos foram publicados em jornais, revistas e antologias, além de mais de 100 folhetos de cordel abordando temas ligados à Educação, problemas sociais, futebol, humor e pesquisa, entre vários títulos ainda inéditos.

Autor de músicas na temática regional, como toadas, xotes e baiões.





CAIPIRA ITINERANTE

Música e voz: Margareth Makiolke

Letra extraída do folheto de cordel
intitulado Canto Lírico de um Sertanejo,
de autoria de Antonio Barreto.

Sou do seio das catingas
Lá das bandas do sertão
Carrego na veia a essência
Dos acordes do azulão
Do açum preto, o sustenido
Da cigarra, o alarido
Da coruja, a solidão.

Bode deserto no pasto
Apartado do rebanho
Asa Branca em retirada
Cobra que não tem tamanho
O tatu-bola escondido
Um lobisomem sofrido
Assanhaço sem assanho.

Umbuzeiro não dá coco
Coco não vira melão,
Eu que já nasci caboclo
Vou viver lá no sertão

Sou caipira itinerante
Águas velozes do rio
Bem-te-vi anunciando
Que andorinha está no cio
O verão queimando a mata
Um cachorro vira-lata
Todas as noites de frio.

Urubu buscando a presa
Papagaio falador
Gavião beijando as nuvens
Inocente beija-flor
Sou preguiça descansando
Nessa estrada passeando
Sem inveja do condor.

Umbuzeiro não dá coco
Coco não vira melão,
Eu que já nasci caboclo
Vou viver lá no sertão

Sou a imensidão do açude
Suas águas cristalinas
Lágrimas desatinadas
Escorrendo nas colinas
Todo o frio das invernadas
A solidão das manadas
As serpentes assassinas.

Sou o abôio dos vaqueiros
Pelos ventos da alegria
Nessa estrada empoeirada
Seja noite ou luz do dia
Sou o berro da manadas
As estrelas prateadas
A viola e a cantoria.

Umbuzeiro não dá coco
coco não vira melão,
Eu que já nasci caboclo
vou viver lá no sertão

Sou o mistério luminoso
Do pequeno vaga-lume
Brincadeira de cometas
Das rosas, todo o perfume
Sou a solidão das rochas
O fogo aceso das tochas
Das noites, todo o negrume.

Rodas do carro-de-boi
Nas estradas do sem fim
Com seu gemido sem cura
Acenando adeus pra mim
Apagando da memória
A doce infância de glória
Deste louco querubim…

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 51 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: